O que fazer quando o marido não divide as contas da casa?

Comentários
Casar é mais do que morar juntos. Casar é conviver, é compartilhar e dividir tudo: as contas, os problemas e as responsabilidades. Nada é mais frustrante em um relacionamento do que ter alguém ao lado que quer viver num mundo à parte do seu. Na “Escola do Amor Responde” desta edição, os apresentadores Renato e Cristiane Cardoso esclarecem as dúvidas de Marcela e de uma amiga que não quis se identificar.
Amiga – Casei há dois meses, mas meu marido não consegue se desligar do passado. Deixei tudo em Alagoas e ao chegar a São Paulo, na primeira semana, ele me me disse que não consegue ficar longe dos filhos. Eu fico todas as noites sozinha porque ele trabalha à noite. Todas as manhãs acordo cedo para esperá-lo, porém ele fica na casa da ex-mulher todos os dias e, quando pergunto por que ele não vem para casa, ele sempre coloca os filhos no meio do assunto. Sempre falo para ele que preciso de atenção. Nesses dois meses só dormimos juntos três vezes no máximo e só porque eu insisti muito. Ele me diz que eu tenho que ter paciência, pois entre nós ainda tem jeito. E eu me pergunto: que jeito?
Cristiane – O jeito é o seguinte: anule esse casamento. Essa é a minha orientação. Porque vocês ainda não estão casados. Você se casou e ele não. Ele nunca se casou com você. Se ele não está fazendo o seu papel de marido desde o início, inclusive não teve nem lua de mel, esse casamento nunca existiu. Você deve anulá-lo. O casamento começou de uma maneira que ele tem todo o poder, porque você não tem para onde ir, você não conhece ninguém, você está sozinha. Você fica à mercê do dia em que ele estiver a fim de atender uma ligação sua e ficar com você em casa. Isso é errado, é superinjusto. Você está sendo injusta com você mesma, porque se casou com um homem que nem conhecia direito.
Renato – Você foi enganada, você comprou gato por lebre. Eu concordo com o que a Cristiane falou. Você tem que anular esse casamento, porque ele nunca aconteceu. Você se envolveu com um homem que nem sequer resolveu a própria vida.
Cristiane – Nós sabemos muito bem que quando um homem se divorcia e tem filhos ele consegue ser pai sem ficar o dia todo com os filhos. Muitos pais passam o fim de semana com os filhos, podem até ver os filhos todos os dias se quiserem, mas não precisam passar o dia todo na casa da ex. É como se ele estivesse ainda casado com essa mulher. Para mim, isso está cheirando mal. Será que é só os filhos que ele não consegue deixar?
Renato – A questão fica no ar. Você, Amiga, tem que "dar tchau" para ele, pegar as suas coisas e voltar para Alagoas. Se você se pergunta o que fará com a vergonha da sua família, lembre-se que vergonha é o que você está passando agora. Não se preocupe com a vergonha da sua família. Corte essa situação o quanto antes e volte para casa e aprenda, porque alguma coisa você deixou passar no período de namoro, se é que houve um namoro, eu não sei o que houve antes de você se casar com ele. Você não prestou atenção em alguma coisa. Porque isso não aconteceu depois do casamento, ele já dava sinais, mas você não os enxergou. O nosso conselho para você é que você "dê tchau" para ele, porque será melhor para vocês dois.
Marcela – Conheci meu parceiro há quase sete anos. Após dois anos de namoro, resolvemos morar juntos. Não casamos nem no civil muito menos na igreja, pois não dávamos importância a essas formalidades. Depois de alguns anos, comecei a perceber que eu ainda estava provendo para minha casa e meu filho. Quando vamos ao mercado, por exemplo, cada um pega o seu carrinho, ele paga o que ele precisa comprar para ele e eu pago o resto. Sabe, a questão não é o gasto, mas a falta de ser cuidada, quero ser a auxiliar para o meu marido e não a cabeça da relação. Tivemos uma briga muito feia por causa de um copo fora do lugar, ele quebrou tudo e eu não suportei e gritei com ele. No dia seguinte, ele tirou as coisas dele de casa e levou para outra casa que temos no quintal. Ele disse que queria ficar morando lá sozinho e eu ficaria na outra casa, como se fôssemos namorados, e iríamos recomeçar. Não sei se devo aceitar.
Cristiane – A mulher tem que entender que as consequências dela ir morar com um homem sem compromisso nenhum, nem no papel nem na igreja, são as seguintes: você vai ser uma mulher na casa dele. Não tenha a expectativa de ser cuidada, de ter um cabeça na relação, de ser aquela esposa que vai auxiliar. Esqueça, porque você está fazendo o papel de uma mulher que foi morar com ele.
Renato – O coração não pensa. Vocês se juntaram pelo coração. Inicialmente, não quiseram casar nem no papel nem na igreja, nada de formalidades. Por que não se preocuparam com a formalidade? Porque, com certeza, naquela altura, vocês estavam bem, tudo estava bem. O coração dizia: isso está legal, ele é um cara legal, ele trata bem a mim e ao meu filho. Acho que não precisamos formalizar nada. Quando a pessoa entra em um relacionamento baseada só no que ela sente, ela está sujeita amanhã a um sentimento diferente do que dizia o seu coração. Foi o que aconteceu com ele. Inicialmente, para ele, estava bem, já que ninguém exigia nada de ninguém. Agora, as circunstâncias mudaram e o coração não quer aceitar do jeito que as coisas estão.
Cristiane – Eu vejo que ela o acostumou assim. Ele já tinha desde o início tudo o que ele queria: uma mulher em casa para estar lá para ele a hora que ele quisesse, para ter a companhia dela, o apoio, a conversa, o carinho, a atenção. Sem que ele faça nada nem que gaste nada. O caso dele é muito confortável, cômodo. Esse homem nunca foi um marido para você.
Renato – Você disse que ele foi para a casa dos fundos, para você ficar na sua casa, para começar de novo como namorados. É uma proposta até interessante. Desde que você leve isso ao pé da letra: se é para recomeçar, ele vai ter que reconquistar você, vai ter que tratá-la como uma mulher de verdade, vai ter que mostrar consideração com você e respeito com seu filho, vai ter que tratar você como uma namorada. E só depois, se passarem esse período de namoro bem, poderão noivar e casar.
Cristiane – Se eu fosse ela, voltaria para a casa da mãe e levaria o filho. E estabeleceria com ele que está bom, que vão namorar, porque morando na mesma casa, porta a porta, ele está lá na porta ao lado. E, dessa forma, o namoro não vai ser muito namoro, porque à noite ele vai dar um pulinho lá na casa dela.
Renato – Eu pensei que a casa fosse sua. Se a casa não for sua, volte para a sua casa. Como ele quer que sejam como namorados, façam tudo certinho. Converse com ele, sem desaforos e sem maldade.
Cristiane – Se você quer um homem para cuidar de você, então deixe-o cuidar.
Renato – Aumente o seu padrão e não ignore os pequenos sinais. É o modo como o relacionamento começa que vai determinar como ele será lá na frente. É importante prestar atenção aos sinais, colocar as condições, discutir os objetivos e os pensamentos sobre as coisas principais, como dinheiro, se vocês já têm filhos de outro relacionamento, um futuro filho e até onde vão morar. Todas essas coisas devem ser decididas desde o início. E não são formalidades, são questões inteligentes. O casamento é um projeto de vida. E você não pode entrar em um projeto de vida sem considerar os detalhes, para não se arrepender depois e a convivência se tornar insuportável.
Renato e Cristiane Cardoso aconselham casais e solteiros a participar da "Terapia do Amor" 

back to top