O que Paulo escreveu, DEUS assinou

Comentários
Paulo fora um apóstolo escolhido por DEUS para a sucessão de Judas, embora os homens tivessem se precipitado e, por vontade própria, escolhido Matias como sucessor do traidor. A prova é que ninguém vê mais se falar do tal Matias. DEUS já havia escolhido Saulo. E o escolheu de forma especial para transformá-lo em Paulo e no maior líder da igreja primitiva.
Paulo era solteiro. Nunca havia se casado, nem mesmo quando antes se chamava Saulo. Mesmo solteiro, sem ter tido experiências práticas de casamento, Paulo recebeu uma inspiração sobrenatural de DEUS para orientar as pessoas na forma de seus relacionamentos. O irmão Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, orientou a todos nas igrejas como deveriam se comportar, se posicionar, acerca do estado civil. Todo o capítulo 7, da 1ª Carta que escreveu aos irmãos em Corinto, constitui-se em um oceano de sabedoria, tudo respaldado na Vontade do SENHOR.
Nesse capítulo, encontramos todas as respostas, todas as explicações para a nossa conduta enquanto solteiros, casados ou viúvos; para quem ainda está convivendo no mesmo lar ou mesmo para aqueles que já se separaram. Há conselhos do homem santo, o apóstolo, como há ordens vindas diretamente do Reino de DEUS. Mas é preciso ressaltar que mesmo as orientações do homem, estas foram inspiradas pelo Espírito Santo, como ele bem escreveu ao final do versículo 40: “…e também eu cuido que tenho o Espírito de Deus”.
Paulo não era um grande defensor do casamento como muitos imaginam. A predileção dele era para que as pessoas decidissem por permanecerem solteiras ou viúvas. Talvez porque conhecesse como ninguém a importância do casamento para DEUS e as profundas fraquezas do homem, que não conseguiria valorizar ou manter um casamento dentro do padrão divino. Paulo tinha dentro de si a verdadeira doutrina do casamento. Assim como os demais discípulos que, ao ouvirem da própria boca de JESUS o que era um casamento para DEUS, concluíram: “Se essa é a condição do homem relativamente à mulher, não convém casar” (Mateus 19:11).
Casamento é algo de profunda importância. É um estado, uma nova posição em que duas pessoas de sexo diferente se encontram após deixarem a vida de solteiros (a casa do pai e da mãe). Elas agora serão uma só carne, oferecerão mutuamente seus corpos, liberados devidamente por DEUS, para pagarem o que é devido um ao outro, assim como também para procriarem. A partir de um casamento lícito (primeiro de ambos), forma-se uma família constituída e testemunhada por DEUS.
Os cinco primeiros versículos de 1 Coríntios, capítulo 7, o apóstolo e conselheiro fala sobre a importância do sexo na vida dos casados. Ele começa defendendo a sua tese de que “o bom seria que o homem não tocasse em mulher” (vers. 1), mas para fugir da fornicação (a palavra grega presente é pornéia, a mesma da suposta cláusula de exceção transcrita em Mateus 5:32; 19:9 e João 8:41). Não podemos substituir o termo fornicação por nenhum outro nesses quatro contextos, visto que eles são referentes à prática sexual antes do casamento. Tolos foram os que, ao longo do tempo, tentaram substituir pornéia (nesses quatro contextos) por, por exemplo, adultério (quando um cônjuge mantém relação sexual com outra pessoa que não seja seu marido ou esposa) ou prostituição. Nos textos citados do evangelista Mateus, o verdadeiro sentido da suposta cláusula de exceção é: “…não sendo por causa de fornicação…”. Em João 8:41, temos: “Vós fazeis as obras de vosso pai. Disseram-lhe, pois: Nós não somos filhos de fornicação; temos um Pai, que é Deus” (grifo meu). Os fariseus estavam, nesse texto, acusando JESUS CRISTO de ter nascido fruto de uma fornicação que Maria teve antes de se casar com José.
Então, Paulo inicia o versículo 2 (da 1ª Carta aos Coríntios, capítulo 7), afirmando: “Mas, por causa da fornicação, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido” (grifo meu). Observe para a presença do adjetivo, em destaque, PRÓPRIA, PRÓPRIO. Ele significa pertencer exclusivamente a alguém. Maridos e esposas são exclusivos um do outro; corpo exclusivo. Somente o corpo do primeiro marido é exclusivo da sua primeira esposa, e vice-versa. Adultério é contrariar esse senso de exclusividade sexual e matrimonial. Quando DEUS passou a habitar em nosso corpo, ELE exigiu exclusividade de nós. Para sermos exclusivos do SENHOR, temos que andar em santidade, seguindo atentamente os seus conselhos. DEUS não divide o nosso corpo com demônio algum. Ou somos de DEUS ou não somos. Assim também serve para o casamento: ou somos de uma só pessoa ou não seremos, seguindo o padrão de DEUS, de mais ninguém (até que aquela pessoa esteja viva). Essa relação de que somos morada de DEUS com o casamento, você encontra de forma bem clara em Efésios 5:22-33.
No versículo 3, da 1ª Carta aos Coríntios, o apóstolo orienta: “o marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher ao marido”. Pagar o quê? Como seria esse pagamento? Na cama, óbvio, em busca do prazer sexual. Quando duas pessoas se casam, uma passa a ser devedora da outra na questão sexual. Se um sente necessidade de preenchimento sexual, a outra pessoa, legitimamente casada, precisa suprir essa necessidade. Por que será que o diabo tem levado tanto esfriamento sexual entre os casais legitimamente casados para DEUS? Conheço casais que passam semanas, meses e até anos sem terem nenhuma relação sexual. Quando há esse esfriamento é porque o diabo já entrou na relação.
O versículo seguinte, Paulo enfatiza a importância do sexo entre duas pessoas casadas para DEUS: “A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher” (1 Coríntios 7:4). Há algo interessante nesse versículo a ser observado. O corpo, que antes era exclusivo da mulher, quando esta era solteira, passa a ser de total domínio do seu marido. Ele passa a dominar sobre o corpo dela. Essa mesma atribuição tem a esposa sobre o corpo do seu marido. Isso se chama transferência de proprietário: o que antes era meu, quando eu era solteiro, passa a ser de propriedade da minha esposa, depois que me casei, é óbvio. DEUS só habitará e só abençoará se somente o casal estiver vivendo dentro desse padrão bíblico. Não há meio-termo.
O último versículo, que trata sobre a área sexual, é mais uma advertência: “Não vos priveis um ao outro, senão por mútuo consentimento mútuo, por algum tempo, para vos aplicardes ao jejum e à oração; e depois ajuntai-vos outra vez, para que satanás não vos tente pela vossa incontinência” (vers. 5). Em outras palavras, Paulo está admitindo que a brecha sexual, causada pela abstinência não consensual, é razão para a entrada de satanás no casamento. Se vão se abster de ter sexo, se abstenham de comum acordo e para um fim específico: orar e jejuar. O poder da oração e o jejum vão proporcionar fortalecimento sexual, espiritual e matrimonial.
Quero chamar atenção agora a um versículo, que muito é usado de forma errada por aqueles que foram repudiados pelos seus cônjuges. Aliás, não só um versículo, mas dois. São os seguintes:
“E disse o SENHOR DEUS: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele” (Gênesis 2:18);
“Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se” (1 Coríntios 7:9).
O que têm em comum esses dois textos, lidos fora do contexto? Em linhas gerais, que o casamento é a saída para o homem sair da solidão. Mas, qualquer homem? Esses textos podem ser atribuídos também às pessoas casadas, que foram repudiadas pelos seus cônjuges e, que, em virtude disso, não vão conseguir ficar sem sexo ou de uma companhia ao lado? DEUS estaria falando para pessoas nessas situações (separadas ou divorciadas)?
É claro que não. Basta ter só um pouquinho de lucidez espiritual e compreensão histórica para perceber que ambos se reportam a homens solteiros. No primeiro caso, ainda nem existia a primeira mulher. O homem havia trabalhado para DEUS, dando nome às espécies e, em dado momento, DEUS viu que não era bom que ele permanecesse sozinho, solteiro. E logo em seguida fez a mulher para ser sua ajudadora. No texto de Paulo, tem tudo a ver com o versículo primeiro desse mesmo versículo, e já analisado por nós no começo desse estudo. O importante é fugir da fornicação, do abrasamento, da relação sexual ilícita na solteirice. Os solteiros que não conseguem se conter, se segurar, casem-me! É melhor o casamento do que uma vida de fornicação. É fácil detectar que o apóstolo está se referindo às pessoas solteiras e viúvas. Basta darmos uma olhadinha no versículo anterior: “Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu” (vers. 8 ) (grifo meu). O versículo 9 fecha a linha de raciocínio de Paulo para os solteiros e para as viúvas.
Porque os versículos 10 e 11 vão se dirigir apenas aos casados. Com um detalhe importante. Para os casados, ele vai abrir mão de falar as suas próprias palavras, vai sair de cena, e deixar que o Espírito Santo ministre diretamente a esse grupo de pessoas. Paulo deixa bem claro que o que está escrito não vem dele, mas como uma ordem do SENHOR: “Todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se separe do seu marido” (vers. 10) (grifo meu).
DEUS ordena, brada do alto dos céus, da Sua glória: “ESPOSA, NÃO REPUDIE O SEU MARIDO!!!!”
Você consegue ouvir DEUS bradando até os dias de hoje? Você consegue ouvir esse clamor de DEUS para a sua vida? DEUS alerta e clama: NÃO FAÇA ISSO!! Certamente grande será a consequência na vida daquela que fizer tal coisa. A primeira coisa: será cortada da árvore da vida, porque tentou fazer dois o que DEUS fez um (entrou em desobediência contra o Espírito Santo). Segunda advertência: demonstra que, sem o amor de DEUS, esse cônjuge não vai conseguir amar nem a si mesmo nem ao próximo, porque passará a odiar a sua própria carne (como está escrito por analogia em Efésios 5:28-29).
Voltando à Carta de Paulo aos Coríntios, o versículo 11 traz outro alerta, em caso de haver repúdio, tanto para quem repudiou como para a pessoa repudiada: “QUE FIQUE SEM CASAR”. É óbvio que DEUS está falando aqui de um segundo casamento, de uma segunda união sexual com outra pessoa, visto que ELE está se dirigindo a uma pessoa já casada: “Todavia aos casados…” (vers. 10). Se é casado, não é para se casar pela segunda vez. E DEUS fecha o versículo 11 com uma ordem inquestionável:“QUE SE RECONCILIE COM O MARIDO; E QUE O MARIDO NÃO DEIXE A SUA MULHER”.
Repito: você tem os ouvidos espirituais abertos para, ainda nos dias de hoje, ouvir esse brado de DEUS no Céu para a sua vida?
Se sua resposta for negativa, se você ainda não consegue ouvir a voz de DEUS para você, então vá orar mais e buscar mais a Sua santa presença. Porque o mesmo JESUS disse que as suas ovelhas ouviriam a voz DELE e a obedeceriam (João 10:27). O mesmo Espírito escreveu em Apocalipse: “Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas” (3:13).
Para finalizar, Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, termina esse manual de conselhos para relacionamentos, estado civil, dizendo a seguinte frase: “A mulher casada está ligada pela lei todo o tempo que o seu marido vive; mas, se falecer o seu marido fica livre para se casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor. Será, porém, mais bem-aventurada se ficar assim (viúva), segundo o meu parecer, e também cuido que tenho o Espírito de Deus” (1 Coríntios 7:39-40) (grifo meu).
Há pessoas, que tentam justificar a sua escravidão no pecado, acusando Paulo de machista, durão, ortodoxo, radical; ou mesmo que aquele direcionamento foi dado apenas àquela igreja específica em Corinto. Agredir o apóstolo, ainda que morto, é o mesmo que atingir o Espírito Santo, que estava nele e que deixou esses ensinamentos escritos para todo aquele que se propõe a ser igreja do SENHOR JESUS, mesmo nos dias de hoje.
Infelizmente e muito tristemente, existem muitas pessoas perdidas nas Casas (denominações), que levam o Nome de DEUS. Pessoas cegas, enganadas por homens e por doutrinas humanas; seres humanos que não leem a Santa Palavra de DEUS e nEla não investigam a Verdade. Não oram, não buscam a DEUS, não têm relacionamento íntimo com o PAI, por isso vivem presas ao que o homem carnal, vestido de paletó e gravata, diz; estão perdidas e não conseguem ter a Luz do discernimento da Verdade.
Uma coisa eu digo: NINGUÉM ENTRARÁ NA GLÓRIA DE DEUS, PRESO A QUALQUER PECADO, NEM SE JUSTIFICANDO A DEUS QUE VIVIA ASSIM PORQUE ERA IGNORANTE, PORQUE NÃO SABIA A VERDADE. O TEMPO DA IGNORÂNCIA ACABA AQUI!! E esse estudo e o nosso Ministério serão testemunhas contra você no Grande DIA.
FERNANDO CÉSAR – Escritor, autor dos livros “Não Mude de religião: mude de vida!”, “Pódio da Graça”; “Antes que a Luz do Sol escureça” e da coleção “Destrua o divórcio antes que ele destrua seu casamento”, “Destrua o adultério antes que ele destrua seu casamento”, “Destrua a insubmissão antes que ela destrua seu casamento”. Também é pastor e líder do Ministério Restaurando Famílias para Cristo.

back to top