As armadilhas do diabo para o adultério

Comentários

“Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como um leão, buscando a quem possa tragar” (1 Pedro 5:8).
Conheci pessoas, através do Ministério, que antes lutavam contra o adultério dos seus cônjuges, pela restauração dos seus casamentos; acreditavam que casamento é apenas um, o primeiro, que o Espírito Santo lhes havia revelado.
Lutaram sozinhas durante um bom tempo, com a força apenas de sua própria carne, sem se submeterem a nenhuma autoridade espiritual. De repente, esfriaram na fé, saíram do propósito a que DEUS havia lhes confiado e, pasmem, também se tornaram adúlteras, pois caíram nas armadilhas de satanás.
O diabo pôs, em seus caminhos, um lobo com aparência de ovelha, prometendo-lhes amor, carinho, cuidado, atenção. Essas pessoas acreditaram no manjar do diabo e, hoje, também, comprometeram a salvação de suas almas.
O adultério se apresenta com algumas características peculiares. Começa com promessas mentirosas, tipo: “você é a mulher da minha vida”; “você é o homem que sempre sonhei”. O espírito do adultério adora elogiar a pessoa fragilizada, carente, que foi repudiada pelo cônjuge. Depois de alimentar as carências afetivas, vem a cama, a relação sexual ilícita, o prazer sexual. Em seguida, surge o aprisionamento espiritual. A pessoa, que acreditou na mentira do diabo, passa a viver uma sensação de felicidade imensa. Ora, quem não quer trocar o deserto, as lágrimas, a renúncia, por momentos de alegria, de felicidade, de paz mundana? É melhor as lágrimas com o SENHOR JESUS ou a felicidade carnal do Egito? Parece mentira, mas muitos escolhem a segunda alternativa. Preste atenção: o adultério fala o que você quer ouvir, faz o que você gostaria que sempre lhe fizessem. É uma massagem enganadora em nosso ego. O adultério sacia o desejo do pecado cravado no coração para depois escravizar a alma. Não se esqueça jamais: o adúltero também vai a templos, também ora, também jejua, participa da Santa Ceia, canta no Coral, ministra a Palavra, fala coisas em nome de DEUS que mexem conosco. Mas lembre-se de que o adultério é iniquidade e, como tal, encontrará tal sentença de JESUS, transcrita em Mateus 7:21-23 (não deixem de ler esse texto).
Observem o que o apóstolo Pedro escreveu sobre essas artimanhas do diabo: “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como um leão, buscando a quem possa tragar” (1 Pedro 5:8).
Vamos analisar esse conselho apostólico, prático e bem claro. Começa nos advertindo:“Sede sóbrios”. A sobriedade é a luz do discernimento. Ela não age com a emoção, mas com a razão. Se DEUS me revelou algo, tenho que me apegar a essa revelação e não abrir mão dela jamais. Posso até cair, posso até esmorecer, posso até viver instantes de pecado, mas não posso perder a luz do discernimento, da Verdade. O que DEUS me revelou tem que ser fogo constante em meu coração. O contrário da sobriedade é a dúvida: “será que isso mesmo é verdade?”; “será que esse novo homem (ou nova mulher) que me apareceu agora, tão bom, tão atencioso, não é o que DEUS tem para a minha vida?”. Uma pessoa, que age assim, perde facilmente a sobriedade, a lucidez; e se torna alvo fácil das mentiras do diabo.
O segundo conselho: “Vigiai!”. Além de manter o discernimento, a luz da Verdade estampada em meu coração, preciso também vigiar, ou seja, ficar atento com as vozes mansas que aparecerão aos ouvidos e com os aspectos de beleza com que satanás sempre se apresenta. Paulo também advertiu à igreja sobre essas farsas satânicas: “E não é maravilha, porque o próprio satanás se transfigura em anjo de luz” (2 Coríntios 11:14). O Evangelho de Mateus apresenta esse mesmo conselho: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação: na verdade o espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mateus 26:41). A carne é mesmo fraca, é a simbolização do Egito, do pecado, da escravidão. O espírito simboliza a Canaã celestial. O deserto espiritual é o momento de aprimoramento, o estágio que nos fará matar de vez o Egito em nós e fazer sobressair o Reino de DEUS. Mas há pessoas que usam o deserto para fofocar, falar mal do irmão, olhar para as circunstâncias adversas, murmurar, murmurar e murmurar. Essas pessoas nunca encontrarão a vitória, antes morrerão no deserto como cadáveres. Portanto, vigiem e orem e não se deixem enganar.
Terceiro ponto: “o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como um leão, buscando a quem possa tragar”. O diabo tem uma rotulação bem clara e definitiva: ele é o nosso adversário. E como tal, só deseja o pior para nossa vida. Para alcançar esse objetivo, nem sempre ele vai se apresentar vestido de roupas escuras, de chifres, com aspecto monstruoso e palavras terríveis. Ao contrário, ele vai agir do mesmo jeito que agiu no Éden: com voz mansa, usando a verdade para transformá-la em mentira. Enganamo-nos porque perdemos a sobriedade e nos deixamos envolver com os aspectos “bons” apresentados pelo nosso adversário, aplicados em nossa carência e fragilidade. Além de ser nosso adversário, ele vive ao nosso derredor. O derredor é imediatamente o espaço além do redor. Ao nosso redor, DEUS estabelece anjos para nos guardar. Ao nosso derredor, estão os demônios. Ou seja, quem baixa a guarda, quem perde a sobriedade e discernimento, quem deixa de andar no Espírito, passa a ser presa fácil desses demônios, porque os anjos de DEUS se afastam por causa do nosso pecado. O verbo “bramar”, transcrito no gerúndio, significa “berrar”, “gritar”, “rugir”. É uma característica de quem está com muita sede, no cio, muita fome. Então ele está rugindo como um leão. Ora, um leão não ruge baixo nem com timidez. O leão usa de toda força física para rugir com todo fôlego animal, tentando capturar a mim e a você.
O diabo capturou, enganou e aprisionou essas pessoas que antes andavam na presença de DEUS e hoje até estão encaminhadas a um segundo casamento Civil. A desgraça e a miséria espirituais não aparecerão agora, mas no futuro, quando o pecado tiver criado raiz firme e segura. Depois que as emoções estiverem comprometidas, quando tudo parecer belo e divino, aí, sim, satanás mostrará as suas garras, tirará a máscara e essas pessoas verão quem realmente ele é. As marcas, as consequências ficarão visíveis e latentes.
Por isso que o único caminho que nos traz segurança e verdadeira Paz é o caminho estreito, semeado com lágrimas e deserto. Quem tenta fugir do deserto que o Espírito Santo colocou para aprimoramento espiritual, voltará a ser escravo no Egito. Porque o Céu é para quem chora, renuncia, obedece e preserva um coração sincero diante de DEUS… Esses são os grandes bem-aventurados do SENHOR…
Que DEUS nos abençoe!!
FERNANDO CÉSAR – Escritor, autor dos livros “Não Mude de religião: mude de vida!”, “Pódio da Graça”; “Antes que a Luz do Sol escureça” e da coleção “Destrua o divórcio antes que ele destrua seu casamento”, “Destrua o adultério antes que ele destrua seu casamento”, “Destrua a insubmissão antes que ela destrua seu casamento”. Também é pastor e líder do Ministério Restaurando Famílias para Cristo.

back to top