“Telefone da Paz: instrumento usado por Deus "

Comentários
Leia e confira o testemunho dos milagres do Senhor
“Meu recomeço com o Senhor foi em meados de 2011, quando o Espírito de Deus levou minha mãe para conhecer a Igreja Batista da Lagoinha. Ela se converteu e começou a participar de uma Célula. Eu estava desviada, num relacionamento fora dos padrões de Deus e grávida.
A líder de Célula da minha mãe, irmã Idenízia, que hoje mora em outro estado, foi até a casa dela, e eu estava lá. Ela, com muito amor do Senhor, me confrontou alertando sobre meu pecado, e a Palavra de Deus cortou como uma espada afiada. Voltei a morar com minha mãe, que me ajudou a firmar meus passos. Decidi viver com o Senhor e deixei meu companheiro, pois ele não quis viver o propósito de Deus.
Minha vida foi se ajeitando em meio a humilhações por causa da consequência do pecado, tristeza e rejeição. Deus me abençoou com um parto maravilhoso, com recursos excelentes. Efetivei minha transferência para a IBL e fui caminhando… Até que o Senhor enviou por meio do boletim Atos Hoje um chamado para o Telefone da Paz. Na época, procurei o pastor Omar e imediatamente fui para um treinamento na Pousada do Rei. Fim de Semana maravilhoso, unção e aprendizado. Lá aprendi mais sobre a convicção de continuar vivendo o que pregava, mesmo diante da dor de estar solteira, com a responsabilidade de criar as meninas (Jhennifer e Alessandra) e ainda trabalhar fora. Deus me sustentava e continua a me sustentar. Aos poucos Ele restaurou minha dignidade e pureza. Comecei a ajudar mulheres na equipe de adoção no núcleo de Células do bairro São Gabriel. Foi interessante como Deus me deu histórias de mulheres que estavam como eu: humilhadas, rejeitadas com a necessidade de recomeçar.
Foi desafiador, às vezes chorava, tinha momentos de luta e achava que os sonhos de ter a minha casa, meu marido não se realizariam, mas nessas horas recebia ligações de pessoas, por meio do Telefone da Paz, que me fortaleciam. Tenho sido alcançada por bênçãos, que vieram depois da decisão de ter um relacionamento puro. Não me deixei levar pelos lobos disfarçados de ‘ovelha’, que quiseram namorar fora dos padrões de Deus. Meu Pai do Céu me ajudou a ser como Habacuque, feliz mesmo que não houvesse ‘frutos’. E no meio da correria, quando menos esperava, Deus me deu um noivo, um marido, Márcio. Conhecemos-nos em uma loja onde fui comprar uma porta. É, a porta que Deus abre, homem nenhum pode fechar. Nosso relacionamento foi e tem sido pautado em orações.
Tempos depois, fui acometida por uma enfermidade no coração, a pressão estava alta, provavelmente faria uma cirurgia. Comecei a fazer exames – como nosso Pai ‘é providencial’, já havia me dado um dos melhores planos de saúde – e foi revelado que era para a glória Dele e não para morte. Os médicos mais conceituados me atenderam, mas muitos viam apenas o natural, eram negativos, porém tudo serviu para aumentar minha fé. Veio o diagnóstico de Wolf Parkinson Wite, uma veia no coração anômala. Sentia muita dor no peito, falta de ar e cansaço. Cada exame resultava em vários problemas, dentre eles um reumatismo no coração. Eu sempre repreendia. Comecei a tomar os remédios e os milagres começaram a chegar.
Repeti os exames e vários diagnósticos começaram a desaparecer, mas um médico decidiu pela cirurgia, para ‘queimar’ a veia. Providenciei tudo no mundo físico, enquanto meu ‘Papai’ usou uma amiga intercessora, Edmilsa, também do Telefone da Paz, para dizer: ‘Você não vai precisar operar.’ Minha fé estava sendo testada… Marcamos a cirurgia e eu convicta de que ia apenas fazer uma visita ao médico. Cheguei ao hospital cercada de orações, ao lado do Márcio e da minha eterna amiga, companheira e líder espiritual do Telefone da Paz, Heloisa Anália. Um procedimento que deveria durar no máximo 30 minutos durou horas. Procuraram a veia, fizeram três procedimentos diferentes e desistiram… O milagre aconteceu! Os exames com fotos radiológicas mostravam, os sintomas eram evidentes, mas Deus curou. A veia não estava lá. Era para eu vir embora no mesmo dia; contudo, o médico não liberou. Foi pessoalmente no dia seguinte no meu quarto e disse: ‘Como eu procurei, como eu demorei e não achei.’ Respondi: ‘Vim apenas lhe visitar.’
Após a recuperação veio o casamento, tudo, desde as alianças até a casa, foi providência do Senhor. Vivemos dias de alegria e gratidão no período da lua de mel. Enfim, em meio a tantas maravilhas, ‘que darei eu ao Senhor por todos os benefícios que me tem feito?’ Confiem em Deus, pratique o que a Bíblia pede, não tenha medo de dizer ‘não’ a um namoro impuro, participe dos ministérios de ajuda como Eliezer, seja humilde e guarde essa verdade no seu coração: ‘Aquele que começou a boa obra na sua vida irá completá-la.”’

perolaariadna@hotmail.com

back to top