Juntos para sempre

Comentários
Casais contam como conseguiram ter um casamento feliz e duradouro, superando as crises e a rotina numa época em que ficou fácil se divorciar
Da redação
redacao@folhauniversal.com.br


O casamento de Antônio Fernandes e Maria Pereira Fernandes começou em 1957, em plenos anos dourados. Maria estava num ponto de ônibus quando Antonio passou com amigos que o desafiaram a paquerá-la. Ele aceitou o desafio, eles conversaram, depois namoraram por 4 anos e estão casados até hoje. “Foi amor à primeira vista”, lembra Maria, que tinha 25 anos e já estava “madura” para os padrões da época. Hoje, aos 80 anos ela acredita que aproveitou bem a juventude e é feliz com a família que construiu, composta de um filho biológico e quatro adotivos, três netos e um bisneto.

Uniões como essa são cada vez mais raras, mas persistem. Segundo os dados do Censo 2010, o número de casamentos formais caiu na última década, e os divórcios aumentaram. A situação se repete em todo o mundo. Na capital do México, onde o índice de separação chega a 50%, o parlamento discute casamentos temporários de apenas 2 anos. Se o casal quiser permanecer junto depois desse tempo tem que renovar o contrato. Caso contrário, a separação é automática.

Ao se casar, as pessoas buscam a felicidade, mas a individualidade e a intolerância cada vez mais minam relações que muitas vezes sequer começaram. Maior tolerância com as uniões estáveis e facilidades jurídicas para se divorciar são alguns dos fatores que levam aos rompimentos. No entanto, muitos casais ainda buscam concretizar o “felizes para sempre” e permanecem juntos durante anos, décadas.


Casamentos longos não significam necessariamente que o casal seja feliz. Construir relações saudáveis precisam ser o foco para que a durabilidade seja acompanhada de felicidade. Quanto mais tempo o casal passa junto, mais chances tem de desenvolver companheirismo, intimidade e respeito mútuo.

Em relações humanas, não existem fórmulas, mas o pesquisador norte-americano John Gottam estudou 50 casais ao longo de 16 anos e chegou a sete princípios fundamentais para que o casamento dê certo (veja as ilustrações ao longo da reportagem). A manutenção do afeto e a busca pela harmonia parecem ser mais influentes na duração das relações do que a facilidade de se divorciar.

O casal Fernandes concorda. Antonio conta que não imaginava que seu casamento durasse tanto tempo e que nunca sentiu nenhum tipo de pressão por parte da família para manter o relacionamento para sempre. “Quando casei, nunca imaginei que ia durar. Eu queria sair da casa dos meus pais. Sou filho de imigrantes portugueses, tive uma criação machista, intolerante. O homem tinha que ser durão, e a mulher tinha que ser tratada como um lixo. Mas, me apaixonei”, confessa.

“A gente tem que ter humildade. Não ter o orgulho besta que nossos pais tinham”, avalia Antonio, aos 78 anos.



Exemplo

Já Nair Adriani Mançano, de 81 anos, 57 anos deles casada com José, sempre acreditou que seu casamento seria longo, como foi o de seus pais. “Minha família era muito estruturada e eu acreditava que casamento era para sempre. Mas, o importante é ter carinho e respeito mesmo.” Para eles, a maior tolerância em relação ao divórcio não influenciou o relacionamento do casal. “A gente já passou por tanta coisa. Já passamos por muitos apertos, mas sempre juntos”, relembra José.

Se para Nair o exemplo dos pais foi uma influência forte, o mesmo não aconteceu com a prole do casal, que tem duas filhas, uma delas divorciada. “Hoje em dia as pessoas são mais intolerantes”, acredita José. Mas ele não condena a separação da filha. “Cada um tem o seu jeito de pensar, e a gente tem que respeitar.”


Os dois filhos dos Fernandes também se separaram. O mais velho rompeu o matrimonio depois de 26 anos de casado e a mais nova depois de 1 ano. Tempos depois casou-se de novo e já vive há 20 anos com o atual marido.

“Os casais mais jovens têm facilidade para o divórcio porque  a construção conjugal ainda é menor e o investimento também. Quanto mais passa o tempo  mais as pessoas pensam duas vezes antes de terminar uma relação de casamento”, aponta a psicóloga familiar da Universidade Pontifícia Católica (PUC)de São Paulo, Ceneide Cerveny.

Bombeiros

José e Antonio são reconhecidamente os “bombeiros” de seus casamentos. Nair e Maria admitem ser mais esquentadas e reconhecem a calma dos maridos como um fator importante na relação. “Para a mulher é sempre mais difícil, porque a gente acaba ficando mais com os filhos, resolvendo os problemas da casa. Mas ele sempre esteve presente. Até hoje, a gente faz a faxina juntos, se tiver que fazer uma compra ele faz”, conta Nair.

“Sempre tivemos rusgas, desentendimentos. A intolerância em certos momentos é o mais difícil. Depois do amor, o maior segredo é a tolerância”, acredita Antonio. E deve ser mesmo. A tolerância está presente em três dos sete princípios levantados cientificamente por Gottman. No livro, em que descreve os resultados do estudo, ele chama a atenção para as mudanças pelas quais o casal passa e a necessidade de estar preparado para lidar com elas. Algumas diferenças talvez não sejam superadas nunca. Afinal, os casais por mais unidos que sejam, são formados por duas pessoas diferentes, mas não precisam causar magoas. O diálogo é o melhor caminho para entender a importância que o fator que levou ao impasse tem para o outro.

“Nessa hora entram em cena as adaptações e as renegociações para voltar ao equilíbrio. Acho que começam na comunicação ou na falta dela as decepções e os conflitos que podem chegar ao ponto do rompimento da relação”, acredita a psicóloga Ceneide Cerveny.

Sonhos

Nair e José se conheceram em Jundiaí, no interior de São Paulo e se mudaram para a capital em 1958 atrás de oportunidades melhores de emprego. “A gente sempre correu atrás junto de condições melhores”, afirma José.

Na casa dos Fernandes o companheirismo e a construção de sonhos comuns também sempre existiram. “Sempre tivemos aspirações e quisemos construir as coisas juntos, e isso motivou a gente”, conta Antonio. “Hoje em dia os casais competem. Isso não pode acontecer. Os dois tem que ser iguais”, define.

Casal festeja os 50 em queda livre

Um casal norte-americano fugiu das tradições para celebrar as bodas de ouro de seu casamento. Em vez de jantar romântico, viagem dos sonhos ou grande festa para a família e os amigos, Alan Dodd, de 69 anos, e Pat, de 71, decidiram celebrar a data nada mais nada menos do que a 4.200 metros de altura, com um salto de paraquedas. “Cinquenta anos de casados é uma circunstância significativa o bastante para querer fazer algo um pouco diferente do que qualquer um faria normalmente”, disse Dodd ao canal de tevê norte-americano KRQE.

No início, Pat não gostou muito da ideia, mas após muita insistência do marido, ela tomou coragem e decidiu aproveitar a “festa”. Eles gostaram tanto da experiência que já estão planejando repetir a dose. “Estou pensando em pular outra vez no nosso 75º aniversário”, brincou Dodd. Os dois concordam que a aventura radical está entre os melhores momentos que já passaram juntos nessas 5 décadas de amor e companheirismo.

O casal surpreendeu a todos passando o vídeo do salto na recepção que fizeram para alguns familiares e amigos para comemorar as bodas de ouro. Segundo eles, os quatro filhos ficaram espantados ao ver o filme.

back to top