Não dê brechas para o inimigo agir

Comentários
A Epístola aos Efésios contém alertas muito específicos para os cristãos com relação ao diabo. Antes de qualquer coisa, o apóstolo Paulo ensinou no primeiro capítulo que Jesus triunfou e herdou o nome que é sobre todos, tendo seus inimigos debaixo de seus pés (cap. 1:22,23).  Acerca de como Jesus triunfou sobre os demônios através de Sua morte na cruz e ressurreição, vide Col 2:15.  Em Efésios 6 dispomos de informações preciosas acerca das armas que estão disponíveis para enfrentarmos a luta contra as forças das trevas – este será tema de um estudo adiante.  Já neste trecho que vamos estudar hoje encontramos um mandamento: não dê lugar ao diabo!
a)      O adversário é intrometido e aproveitador.  O apóstolo Pedro avisou que o inimigo age como um leão devorador (I Pe 5:8).  Lembre seus discípulos que o Leão da Tribo de Judá, Jesus, é infinitamente superior a este “leão” que espreita o rebanho. É só você vigiar e não dar oportunidade a ele.
b)      O inimigo se aproveita de nossas fraquezas.  Observe que o trecho que compreende os versos 25 a 32 contém uma série de recomendações sobre pecados que precisamos evitar:

1.              Mentira (v. 25) Cada um de vocês deve abandonar a mentira e falar a verdade ao seu próximo. Jesus ensinou que o diabo é o próprio “pai da mentira” (Jo 8:44). Já o Espírito Santo é o Espírito da Verdade (Jo 16:13) e o Senhor Jesus se autodenominou: Eu Sou a verdade (Jo 14:6).
2.              Ira (v. 26) Quando vocês ficarem irados, não pequem. Ficar irado não é pecado, porém a ira pode se tornar pecaminosa e oferecer oportunidades ao inimigo. Observe a recomendação do apóstolo: Apaziguem a sua ira antes que o sol se ponha. Isto significa não consentir que a ira se torne em ressentimento, mágoa, ódio – pois estes sentimentos aprisionam a pessoa e oferecem brechas para o diabo.
3.              Boca (v. 29) Nenhuma palavra torpe sai de vossa boca.  Vigiar a boca é uma necessidade! O salmista orou a Deus para que Ele colocasse uma guarda à sua boca para não pecar (Sl 141:3).  Jesus avisou que daremos contas a Deus por toda palavra torpe (ou inútil) que emitirmos (Mt 12:36,37). O critério que Paulo estabelece é o de falar somente o que edifica e transmite graça (v. 29b).
4.              Espírito Santo (v. 30).  Tudo o que você praticar que entristecer o Espírito Santo servirá de brecha para o inimigo atuar em sua vida.  Por isso o apóstolo recomenda: Não entristeçam o Espírito Santo.  Claro que os quatro itens acima também tratam de pecados que entristecem o Espírito. Vale ressaltar que o Espírito é nosso aliado para nos ajudar a perceber brechas em nossas vidas. Nos versos 31 e 32 há duas listas, a primeira de coisas a lançarmos fora de nossas vidas e a segunda de virtudes a perseguir.
5.              Lançar fora (v. 31).  Lembre-se que o diabo é adversário da Igreja e por isso devemos zelar pela saúde dos nossos relacionamentos com nossos irmãos. Por isso o verso 31 contém o mandamento: Livrem-se de todaamarguraindignaçãoiragritaria e calúnia, bem como de toda maldade. Em alguns aspectos este verso repete os anteriores – entenda que o apóstolo estava preocupado em dar ênfase à questão dos relacionamentos, onde o inimigo costuma encontrar tantas brechas.
6.              Perseguir (v. 32).  Em contrapartida a tudo que precisamos abdicar para que o inimigo não encontre lugar em nossas vidas, há virtudes que precisamos almejar, desenvolver e buscar junto ao Espírito Santo: Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-vos mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo.  Bondade é qualidade de caráter – ter o caráter de Cristo nos tornará bondosos – aquele tipo de bondade espontânea, que não visa benefício posterior.  A compaixão é a capacidade de colocar-se no lugar do outro que sofre e sentir sua dor.  O perdão que nos é recomendado não é o “da boca pra fora”, mas o mesmo perdão com que fomos perdoados por Deus.
Conclua este estudo frisando que o Senhor Jesus já operou tudo o que era necessário para que você viva livre do diabo.  Recomende aos seus discípulos que eles vigiem e que não dêem mais nenhuma facilidade para que o inimigo roube suas vidas.  Convide-os a orar com você pedindo auxílio ao Espírito Santo para vigiarem contra o pecado.  Leve-os a renunciar a cada um dos pecados alistados acima e a declararem ao Senhor que desejam as virtudes relacionadas. Na medida do possível, insista na questão do perdão pois normalmente esta é a área em que o inimigo mais prende as pessoas.

back to top